Follow by Email

terça-feira, 16 de outubro de 2012

O DIA DO PÃO!

Como padeira fico pensando:- Será que existe um dia do pão?
Não seriam todos os dias ,dia do pão?
Existiria outro alimento para definir a substância que nos nutre diariamente, feitos de um farináceo qualquer, cozidos em pedras ou assados em fornos, o mundo todo tem sua porção de pão diário, e quem não os tem está a míngua de pão , a beira do fim.
Não é sem razão que o Cristo pede em sua prece;-O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje.
Para manutenção da vida , para manutenção da experiência humana -pão-
Este da foto é um pão rústico, o Pão Alentejano.
Descobri-lo foi algo além de uma breve receita, foi descobrir sabores guardados nos refolhos secretos do meu espírito milenar.
Quantos pães desses posso ter comido em minhas trajetórias encarnatórias? Não o saberei jamais , mas ao comê-lo vem-me a sensação de uma viajem profunda e suave aos prados verdes do Tejo que trago na alma.
Pão Alentejano

Receita.

Em uma pequena bacia misture: 125 gramas de farinha de trigo
                                                 2 gramas de fermento biológico seco
                                                 3 gramas de sal
                                                 170 gramas de água
Misture e deixe levedar por 2 horas.
Após 2 horas misture a massa de novo, cubra a vasilha com filme plástico e leve a geladeira por 24 horas.
No outro dia tire esse fermentado da geladeira e deixe em temperatura ambiente por mais duas horas, daí  em uma bacia maior, acrescente: 560 gramas de água
                                                  17 gramas de sal
                                                  8 gramas de fermento
                                                 1000 gramas de farinha de trigo.
Sove muito bem essa massa e deixe levedar por 2 horas.
Abaixe a massa, sove novamente e deixe levedar por mais 1 hora.
Agora poderá modelar seu pão, com essa massa faço apenas dois pães grandes.
Deixe levedar por mais 1 hora e asse em forno 180 graus por 45 minutos.
O link do concurso no site:
http://kochtopf.twoday.net/stories/announcing-world-bread-day-2012-7th-edition/


terça-feira, 18 de setembro de 2012

O FILME

Delicadíssimo filme sobre a obra sui generis de Manoel de Barros.O link está na postagem anterior.
É que ainda não me acostumei com as novas normas do blog. Abraços aos seguidores!
Que o filme os possa inspirar a ver o invisível.

Fruto de vez: Manoel de Barros

Fruto de vez: Manoel de Barros: Dedicatória from Bloco Filmes on Vimeo . Quando duas almas sensíveis se encontram dá nisso.

sábado, 18 de agosto de 2012

SAUDADE...DE QUÊ?




Saudade de ainda saber operar o blogspot.
Saudade de ter na mente no máximo cinco objetivos a serem alcançados a curto prazo.
Saudade de mim, e dos meus sonhos de jardim e flores.
Saudade das minhas convicções , hoje tão cheias de senões.
Saudade da minha suposta ignorância de padeira.
Saudade de ter interesse pelas coisas da internet.

Isso tudo porque;

Hoje não sei mais operar esse blog , que tão cheios de inovações me deixou inapta a usá-lo.
Hoje, tenho no mínimo 15 objetivos por dia, ou mais.
Hoje como dá pra me perceber, quase não fico em minha companhia, lendo, escrevendo, costurando, cuidando do jardim , replantando flores, sonhando com o novo lugar para a romãzeira.
Hoje, tenho que ser uma coisa que me aterroriza: (política), minhas convicções, tem que ser guardadas e analisadas para serem ditas de forma pasteurizada e na hora adequada aos outros.
Hoje depois do curso de padeira(esse da foto), aprendi muita coisa que me desencantou,e pareço estar insegura de minha panificação instintiva.
Hoje, acho tudo repetitivo, desculpem-me os que não se repetem ,mas a maioria o faz.
às vezes penso que estou é apenas estafada, precisando de descanso, mas isso é impossível agora.
A vida agora me chama a muito trabalho e a mudanças de atividades cotidianas.
A muito não escrevia aqui por esses motivos, por perdas na família, que me deixaram um tanto triste, e principalmente pelas mudanças que não acompanhei e hoje ainda não me adaptei com elas.
Mas em nome do afeto que tenho pelas pessoas que sempre me acompanharam nesse blog, resolvi escrever.
UMA COISA IMPORTANTE: TENHO SAUDADE DO BLOG E DE ESCREVER .
QUEM SABE AGORA EU RECOMECE MINHAS ATIVIDADES BLOGUEIRAS.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

VIDA DOMÉSTICA...SIMPLES,MUITO SIMPLES.





Tem alimentos que dispensam qualquer demoninação gastronômica, são hábitos simples da vida da gente.
Abacate com açucar e limão,é um desses alimentos, e tem que ser comido na própria casca do fruto.(esses costumes me fazem crer que somos mais aborígenes do que admitimos).
Mas deixa a sociologia pra lá.
Esses sabores que o tempo não muda, a mídia não corrompe. Afinal graças a Deus não existe uma pré mistura para esse sabor e nem tem logomarca.
Tem comidas de família. Para mim os almoços meio improvisados são as melhores festas , sem nada pré estabelecido, sem horário, todo mundo vai chegando e comendo e se não der a gente acrescenta mais um prato rápido, prá ser saboreado e não perdermos o gosto da alegria.
Esses dias estávamos aqui numa reuníão de família dessas, lá pelas tantas alguém pede um café, uma sobrinha já havia pedido um bolo, e como eu não entendi que o bolo misturado preto e branco era na massa do bolo mármore, fiz esse glacê aí, pra ficar de acordo com o pedido.
Resultado? Agradou em cheio, pena que o bolo era pequeno, mas todos comeram.
Depois enquanto nós "gente grande" conversávamos, a sobrinha neta foi fazer casinha de almofadas.


Terminamos no jardim pra completar a prosa.
Vida doméstica... muito simples, mas cheia de importâncias.
Importância de saborear cada minuto com muita leveza e alegria.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

APENAS MEU JARDIM E O SOL.

O Catito é parte do jardim...



Visto da rede.
Ali em cima do muro tem um pequeno pássaro.


Suculentas.
O banco que eu fiz.





O céu azul , que Deus fez...

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A RESISTÊNCIA PSICANALÍTICA

Estando em meio a grave processo de perquirição psicológica, me chega as mãos um pretenso livro de soluções financeiras(mas é muito mais que isso), e eu em despretensiosa leitura por tema tão incomum sou totalmente pega de surpresa; o autor me colocou de frente a difíceis enfrentamentos com o ego.
Usando a célebre frase de Young: " Até que você torne consciente a inconsciência, a inconsciência direcionará sua vida e você chamará isso de destino"ele me desafiou. Aceitei o desafio e prossegui.
Para vencer as forças de um destino desastroso e confuso ele pede que você entenda suas motivações profundas, escondidas por detrás de possíveis sonhos materiais, como um carro novo por exemplo. Por detrás desse carro de fato escondo a necessidade de conforto e segurança.
Daí ele leva você a se perguntar:- por quê estou me sentindo insegura e desconfortável?
Esclarece que esse desconforto, vem de desconhecidos embaraços da alma, que acabam se projetando no mundo exterior, boicotando qualquer realização de sentido progressista.
Deixei o livro de lado e fui trabalhar a alma...
Tenho refletido muito nessas lembranças e até com uma coragem heróica, tenho tentado visitá-las, tento fazer uma espécie de linha do tempo, voltando as reminiscências mais antigas e mais do que fatos, tenho buscado"me ver" naquelas ocorrências, perceber de novo como eu via o mundo, como eu agia, que espécie de criança, jovem e adulto eu fui.
Com isso tenho sofrido grandemente de angústia e dúvida, angústia pela rememoração e dúvida quanto ao que fazer com todo esse material mnemônico.
É um trabalho árduo , exige persistência e coragem, mas quando há vontade e firme propósito o universo conspira a favor...
Hoje estava eu procurando em um livro antigo de medicina(ah! como eram boas as publicações antigas...)por um outro assunto, vagotonia, e eis que me deparo com um título nunca antes registrado por mim, já que folheio este livro desde a minha infância. O título " A Resistência", artigo sobre psiquiatria me atraiu e lendo-o me fez entender outros meandros da questão.
A frase introdutória de um parágrafo: " A resistência é arma secreta do ego", me deixou atenta. Explica o artigo que na associação livre de fatos usados para investigação e possível identificação do problema, a resistência se coloca aí exatamente no limiar do inconsciente não nos permitindo acesso, daí ficarmos paralisados em suspenso.
Freud dizia que essa "arma"era usada para proteger o indivíduo da angústia advinda da carga de recordações desagradáveis. Mas...
Mas eu me pergunto, como vencê-la, pois é preciso acessar as recordações para deslindar o processo da angústia paralisante? Como?
Mais adiante no lúcido artigo vem esta afirmação encabeçando novo parágrafo:ASSOCIAÇÃO VENCE-
Animada, pois que vi aí uma saída, me encantei com o parágrafo a ponto de transcrevê-lo na íntegra.
"A associação livre que proporcionou o descobrimento das resistências é a mesma que permite ao indivíduo vencê-las paulatinamente. Quando esta falando sem restrições, o paciente sempre deixa escapar algumas "pontas" das situações encobertas pelo mecanismo de defesa. Com a ajuda do analista, o indivíduo consegue identificar os fatos( que conduziram aos sintomas neuróticos) e discutir seus efeitos para alcançar a cura."
DISCUTIR OS EFEITOS...
Entrar onde esse guardião de pedra , vigia a porta com veemência, já me pareceu ousado, assistir e revivenciar o conteúdo por detrás da porta do consciente já tem sido doloroso. Agora sinto que preciso de uma coragem e um querer fortíssimos para "discutir" os efeitos desse material, tentar achar as pontas e no rastro delas me curar.
Um amigo dizia que curar é por a pessoa de pé, andar é obra individual.
Conto hoje como agentes dessa cura tão buscada , com meu sincero desejo de evolução, a lucidez do Cristo, me orientando os sentimentos com segurança e com os apontamentos desse gênio a quem tanto devemos, Dr. Freud
Agora sei.
Curarei-me.
Ficarei de pé.
Depois caminharei.
Para onde?
Creio que para a luz imorredoura da razão e do bem.